Tragédia no RJ deixa 10 mortos, entre eles, mãe e filha de casal que viajou para os EUA

 

Uma tragédia declarada desde à zona sul e ao redor das regiões do Rio de Janeiro. Depois de 24 horas de chuva sem parar, foi declamador estado de calamidade pública na cidade.

Na zona sul, em Copacabana, um dos pontos turísticos mais visitados ao redor do mundo, a água chegava a um metro de altura. Já foram confirmados 10 mortos. Centenas de carros e casas foram abandonados.

As escolas e departamentos públicos ficaram fechados nesta terça-feira (9). Foi anunciado que ninguém saísse de suas casas. Ruas e túneis foram interditados.

Leandro Pereira Ramos, 40 anos, morreu eletrocutado na Zona Norte. Ele limpava o ralo de sua casa quando levou o choque.

E o mais triste entre todos foi o caso de uma senhora de 63 anos, Lucia Xavier Sarmento Neves, e sua neta, Júlia Neves, de 6 anos, que foram encontradas mortas junto ao taxista Marcelo Tavares. Eles saíram do Shopping Rio Sul, em Copacabana, na segunda-feira, às 9h30 PM, após a saída de uma festa de crianças. A última mensagem que a vó tinha feito, era que já estava dentro do taxi para sua casa.

Foi a última mensagem enviada para os pais, que tinham acabado de viajar de férias para a Califórnia, nos Estados Unidos, e deixaram a única filha com a avó. Foram quase 8 horas para desenterrar o taxi encontrado nesta tarde, já que foram soterrados após um desmoronamento de pedras e terra.

Familiares e amigos tinham se mobilizado nas redes sociais para pedir ajuda aos pais, já que ninguém tinha noticias delas após a saída do shopping.

Os principais túneis da zona sul e em direção ao centro do Rio de Janeiro continuam interditado. Para esta quarta-feira (10), a previsão é de mais chuvas e risco de grandes deslizamentos.

 

Fonte Luciana Padilha/LP Infocus