Investigação: Suposta espiã russa trabalhou na Embaixada dos EUA em Moscou

Investigadores da contrainteligência americana descobriram que uma suposta espiã russa trabalhou por mais de uma década na Embaixada dos EUA em Moscou, segundo o jornal britânico The Guardian.

De acordo com a publicação, a russa foi contratada pelo Serviço Secreto americano e teve acesso à intranet e ao sistema de emails da embaixada. Com isso, poderia ter visto informações de alto nível de confidencialidade, como as agendas do presidente dos EUA e do vice.

Ainda segundo informações, a russa foi demitida no ano passado, depois que uma varredura feita por escritório do Departamento de Estado dos EUA a colocou sob suspeita.

O jornal britânico descobriu o nome da suposta espiã e tentou contatá-la por email, mas não obteve resposta.

A revelação ocorre semanas depois de uma mulher russa de 29 anos que vive em Washington ser presa e acusada de ser uma agente oculta a serviço do Kremlin. Ela pode ser condenada a 15 anos de prisão.