Petrobras não aceita novos cortes no diesel e greve amplia adesões

Amparado pela queda de 14% nas ações da Petrobras na quinta-feira 24, Pedro Parente, presidente da estatal, decidiu redobrar as apostas no jogo contra os caminhoneiros em greve.

Em teleconferência com investidores, Parente garantiu que a redução de 10% no preço do diesel para as refinarias será realmente temporária (durante 15 dias) e única. “Isso não vai acontecer de novo”.

Ao mesmo tempo em que o presidente da Petrobras se justificava com os detentores de papeis da petroleira, José da Fonseca Lopes, presidente da Associação Brasileira dos Caminhoneiros, anunciava a adesão ao movimento das transportadoras de carga.

Os grevistas reivindicam o congelamento do preço do diesel por ao menos seis meses.